... e deixaram-na entregue aos lavradores da primeira aldeia que toparam. A aldeia demorava às abas do Monte Córdova, serra que se empina e ondeia com as fragosissimas encostas até à vila de Santo Tirso.
In A Bruxa de Monte Córdova, pp 178-Camilo Castelo Branco

3 de outubro de 2017

Dióspiros...

... Tão cedo para os colher.
Ainda é muito cedo? A natureza diz que não.
Com efeito assim é.
Estes são uma amostra dos muitos que já temos colhido para consumo de casa desde os últimos dias de Setembro e que têm escapado intactos às bicadas dos atrevidos melros.

Após muitos anos com as variedades fau-fau e coroa de rei, no  nosso pomar, nunca os colhemos antes de fins de Outubro, Novembro e até Dezembro.
Há qualquer "recado" na natureza, pois está tudo adiantado...

12 de setembro de 2017

Marmelada

Os marmelos estão bem maduros... bem mais cedo que o habitual.
No ano passado foram poucos e pequenos, enquanto que este ano a produção já a podemos considerar normal, com predominância para o calibre grande.

De resto, no nosso pomar praticamente todas as variedades de frutos foram colhidas mais cedo. Coisas do tempo ou do destempo, quem o poderá dizer?

18 de julho de 2017

Feijão verde...

... e amarelo.
A colheita de grande parte das nossas hortícolas, no verão passado, foi fraca e em alguns casos má. Entre outras, o exemplo que podemos dar é o feijão verde, em vagem.
Desde sempre cultivamos o feijão riscadinho, um feijão regional com produções regulares, mas o ano passado foi mesmo muito fraca a produção. Ainda para mais, o que se guardou para semente deu-lhe o gorgulho... um desastre.
Face a essas contrariedades e na busca de feijão para semente, encontramos numa determinada superficie comercial embalagens de feijão amarelo e feijão verde, ambos com as mesmas características e sem fio. Achamos que era tempo de mudar e de experimentar.
Assim fizemos.
A decisão foi acertada pois está a produzir bem, com boas colheitas diárias.


De todas as formas culinárias é muito gostoso, não ficando a dever nada ao feijão regional, apenas tem o senão de as vagens serem um pouco mais curtas, mas tem a enorme vantagem de não ser preciso tirar o fio.  

18 de maio de 2017

Cebola espigada...

... vira cebola boa para consumo.
Com a chegada do inverno grande parte da nossa cebola armazenada espigou ficando estragada para o consumo e o destino a dar-lhe, obviamente, seria a compostagem.
O nosso vizinho Silva, num certo dia passou por cá para ajudar a arranjar as bancas da ramada e apercebeu-se daquele monte de cebola na compostagem. Pediu para levar umas quantas delas dizendo que cebola espigada vira cebola boa.
 Decorrido este tempo, ontem bateu ao portão trazendo um balde com cebolas para mostrar que as afirmações dele eram verdadeiras. Acrescentou que não precisou de comprar cebolo de dias curtos de semente. Aqui estão na foto.
Bem, nada disto é novo e nada que nós não soubéssemos. Com efeito metendo à terra as cebolas espigadas vão dar lugar a novas cebolas. Apenas tem o senão de desenvolverem dois ou mais bolbos agarrados, deformando-os, ficando com aspecto menos agradável, e com reduzido interesse comercial.
A intenção deste post vai no sentido de alertar todas aquelas pessoas que têm uma horta caseira que a cebola depois de espigada pode substituír a compra de cebolo de semente. 

21 de fevereiro de 2017

Morangos.Estrumar a terra com ...guano

No ano passado, utilizamos pela primeira vez guano para fertilizar a terra dos nossos morangueiros. Este ano voltamos a utilizar guano porque entendemos que valeu a pena, na medida em que a produção foi boa.
Ao longo dos anos tratamos os nossos morangueiros exclusivamente com compostagem caseira e não temos razões de queixa. Simplesmente a produção foi ainda superior com este adubo orgânico, sendo esta a razão da nossa preferência.
Somente daqui a duas semanas ou eventualmente uns dias mais, é que plantaremos os pés de morangueiros. Este compasso de espera justifica-se para que o guano misturado com a terra envelheça um pouco, a fim de evitar queimar as raízes, no caso de ainda não estar curtido.